Curta Minas

Curta Minas/ABD-MG

Em 12 de janeiro de 1999 tornou-se oficial a criação de um mecanismo que atendesse aos anseios de um grupo de realizadores, professores, profissionais e estudantes que buscavam uma forma de mudar o cenário do setor audiovisual do estado de Minas Gerais. Um poder de interlocução de um segmento, uma voz que representasse o setor junto aos poderes públicos e privados. Uma referência em iniciativas que contemplassem a cadeia produtiva, quer fosse no sentido da criação de mecanismos de fomento, quer fosse na preservação e/ou exibição, enfim, que percorresse todos os segmentos do cinema. Surge, assim, a Associação Curta Minas com seus 36 sócios fundadores.

A dimensão que essa ação teria talvez não fosse compreendida por todos naquele momento, ainda mais se for imaginar o espaço que a entidade passaria a ocupar. Suas ações demonstraram rapidamente que, ao estar organizado, o segmento de curta-metragem e documentário consagraria ações que refletiram tanto internamente, no setor e nos realizadores mineiros, quanto externamente, trazendo as atenções do país para o estado. Projetos como o Prêmio Estímulo, a Mostra Curta Minas, o Cineclube Curta Circuito, além de projetos de formação, pesquisa, preservação e circulação, permitiram uma visibilidade nacional do que é feito aqui e do intercâmbio provocado pela filiação à ABD – Associação Brasileira de Documentaristas e Curtas-metragistas, ao CBC – Congresso Brasileiro de Cinema e ao CNC – Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros e a ABPA – Associação Brasileira de Preservação Audiovisual.

Após 13 anos é fundamental uma reflexão sobre a Curta Minas/ABD-MG, o que ela se propunha e o que representa hoje. É uma entidade de pessoas físicas. No entanto, muitos desses profissionais representam hoje mais de dez empresas produtoras. Bem como seu quadro de sócios, constantemente renovado.

A Curta Minas/ABD-MG é hoje o “elo comum” de um número diverso e expressivo de realizadores do estado reconhecidos profissionalmente tanto no Brasil quanto no exterior. Curtas-metragistas têm-se tornado longas-metragistas. Diretores que fizeram e que fazem parte da associação estiveram e estão hoje em cargos de importantes entidades políticas nacionais, reflexo de todo um trabalho desenvolvido aqui em prol da entidade. A Curta Minas significa indiscutivelmente conquistas importantes no cenário audiovisual brasileiro.

Agora precisamos repensar o papel da entidade e também dos sócios com seus direitos e deveres, do que vai além da Diretoria. Quanto às mudanças que desejarmos no cenário audiovisual, basta, mais uma vez, deixar um pouco nosso individualismo de lado.  Anos depois sabemos mais do que ninguém que basta apenas um conjunto de realizadores, professores, profissionais e estudantes que juntos busquem novas formas de mudar o cenário em prol do coletivo para que isso aconteça, pois criar o elo de ligação já não é mais preciso, pois a Curta Minas é mais que uma realidade, é um REFERENCIAL.